Escolha uma Página

The Leachox™ Refractory Gold Process – The Testing, Design, Installation and Commissioning of a large Scale Plant at the VASGOLD Gold Mine, Kazakhstan. Presented at the MEI Precious Metals ‘10 Conference, Falmouth, Cornwall, UK, June 2010.

O Processo Leachox™

O processo Leachox envolve a recuperação dos sulfetos contendo ouro para um concentrado de teor elevado e massa reduzida utilizando a Célula-G Imhoflot de flotação pneumática centrífuga ou a concentração por gravidade seguida de moagem ultra-fina e tratamento de oxidação utilizando Reactores Aachen™ e Reactores de Lixiviação da MMS.

A utilização da moagem ultra-fina em concentrados de ouro não é uma novidade. Na verdade os fundamentos – quanto mais fino moer, mais liberta, mais metal valioso recupera – tem sido a base do processamento de minerais desde sempre. Várias explorações mineiras em todo o mundo nos últimos 30 anos têm utilizado a moagem ultra-fina seguida de lixiviação com cianeto oxidativo para o tratamento de minérios de ouro refratários com diferentes graus de sucesso económico. A mina de ouro de Salsigne em França utilizou, com sucesso, um processo desde o início dos anos 1990 até 2003, que envolvia a moagem de concentrados de ouro refractário com sulfetos num moinho de esferas para 95% passando 20 microns seguido de pre-oxidação atmosférica e de lixiviação com cianeto em tanques.

No entanto, é sabido que a moagem ultra-fina em moinho de tamboração é altamente ineficiente e tem custos energéticos consideráveis, o que torna o processo quase sempre não rentável. O desenvolvimento nos últimos dez anos de moinhos especificos para moagem ultra fina, tornou muito mais eficiente a libertação de partículas finas. Moinhos, tais como o Isamill, o Deswik Mill e o Stirred Mill Detritor (SMD Mill) tiveram as suas origens em equipamentos desenvolvidos para as indústrias dos minerais industriais e químicas, mas que foram adaptados para as quantidades mais elevadas e condições abrasivas geralmente encontradas em aplicações de processamento de minerais . Esta é a razão porque a moagem inferior a 20 mícrons já não é encarada como um processo proibitivo.

A moagem de minérios de ouro refratários para tamanhos inferiores a 20 mícrons e mais fino, embora liberte mais ouro, também liberta muitas outras espécies minerais que afectam o processo oxidativo e de cianeto a jusante. Em muitos casos quando se utiliza apenas a moagem ultra-fina atinge-se a recuperação máxima, e moer mais fino, na realidade, reduz a recuperação de metais preciosos. Para além disso também aumenta drasticamente o consumo de reagentes para o processo de lixiviação e consequentemente os custos. O processo Leachox, utilizando Reatores Aachen e Colunas de Lixiviação MMS, anula em grande parte esses problemas de recuperações limitadas e de elevado consumo de reagentes. Comparação de ensaios feitos em laboratório e em instalações piloto entre o Leachox e a lixiviação oxidativa e a lixiviação com cianeto feitas em tanque aberto, após moagem ultra-fina e utilizando uma variedade de concentrados, mostrou, em muitos casos, que se conseguiam recuperações de ouro mais elevadas utilizando o processo Leachox. Em todos os casos resultou numa redução considerável no consumo de cianeto, oxigénio e cal. Em alguns casos levou a uma redução da ordem de grandeza do consumo. Num ensaio numa instalação piloto usando um concentrado de sulfureto de ouro o Leachox alcançou uma recuperação de ouro de 90.1%. No entanto, reduziu o consumo de cianeto de 10 kg/t para 0,8 kg/t, tendo os consumos de oxigênio e de cal sido reduzidos numa escala semelhante, em comparação com um outro ensaio similar utilizando material de moagem ultra-fina efectuado em equipamento que não o Leachox. Outra grande vantagem é que o processo Leachox acelera dramaticamente a cinética da lixiviação, reduzindo o tempo de lixiviação a poucas horas em comparação com as 24 horas necessárias para a lixiviação em tanque aberto.